O MViva!, espaço aberto, independente, progressista e democrático, que pretende tornar-se um fórum permanente de ideias e discussões, onde assuntos relacionados a conjuntura política, arte, cultura, meio ambiente, ética e outros, sejam a expressão consciente de todos aqueles simpatizantes, militantes, estudantes e trabalhadores que acreditam e reconhecem-se coadjuvantes na construção de um mundo novo da vanguarda de um socialismo moderno e humanista.

terça-feira, 30 de abril de 2013

NA REDE COM BARBOSA




Em mais uma movimentação para criar o seu novo partido, a ex-senadora Marina Silva conseguiu agendar uma audiência com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, para a próxima semana, na terça-feira, 7.
O tema da conversa será o projeto de lei que dificulta as regras para a criação de novas legendas.
Desde fevereiro, Marina vem articulando a criação da Rede Sustentabilidade, sigla pela qual pretende concorrer ao Palácio do Planalto em 2014.
Na semana passada, o ministro do STF Gilmar Mendes concedeu uma liminar que suspendeu a tramitação no Senado do projeto de lei de autoria do deputado federal Edinho Araújo (PMDB-SP). 
A proposta, que já foi aprovada da Câmara, tem o apoio do governo federal e restringe o repasse de recursos do Fundo Partidário e tempo na TV a novos partidos.
O argumento usado pela ex-ministra do Meio Ambiente é o de que é preciso ter isonomia, pois, no ano passado, o Supremo concedeu esses benefícios ao PSD, partido criado pelo ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab.

segunda-feira, 29 de abril de 2013

NAZISMO ESPANHOL - O 'GRANDE' GENERAL MUÑOZ GRANDES

O general Muñoz Grandes (1896-1970), que na fotografia acima vemos à esquerda num encontro com Adolf Hitler acompanhado de um tradutor, foi o comandante da 250ª divisão de infantaria do exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial (1941-42), uma unidade totalmente constituida por voluntários espanhóis e alcunhada de divisão azul por causa disso (azul era a cor das camisas dos membros da Falange, a componente política do franquismo). 
 
 
 
A 250ª permaneceu na Frente Leste, uma divisão entre mais de duzentas que ali estiveram engajadas do lado do Eixo, combatendo contra os soviéticos até Outubro de 1943, quando a evolução do conflito fez com que o prudente Franco, antecipando o desfecho da Guerra, lhe deu ordem de retirada. A esta intervenção espanhola ao lado da Alemanha costuma ser dado um incontornável significado político, mas o seu impacto militar para o desfecho da Guerra, o que houve de grande, perdoe-se-me o trocadilho, só mesmo as grandes orelhas do general Muñoz Grandes...    

Carta Capital fala da apuração sobre esquema de espionagem





A denúncia feita com exclusividade pela Carta Capital revela a situação de Goiás e mostra que o estado precisa da atenção do Governo Federal, é o que diz ao Comunique-se o repórter Leandro Fortes, que assinou a matéria da revista. 
“É uma situação muito semelhante à vivida pelo Acre na década de 1980 [época em que houve o embate entre fazendeiros e trabalhadores e que o seringueiro e sindicalista Chico Mendes foi assassinado]. 
É preciso que o governo federal, lance seus olhos para o que está acontecendo em Goiás”.
Segundo o jornalista, a imprensa faz a sua parte, mas “não tem capacidade de fazer isso sozinha”. Nas 450 mensagens a que Fortes teve acesso, “é explicitamente dito que o contrato foi feito em nome do governador Marconi Perillo [PSDB]”.

A reportagem divulga suposto esquema de espionagem de políticos e jornalistas, orquestrado pelo governo de Goiás.
Durante duas semanas, Fortes teve acesso a e-mails e DMs (direct messages enviadas pelo Twitter) entre o cracker, conhecido como Mr. Magoo, e o publicitário Gercycley Batista. “Separei essas mensagens por dia, hora e tema, para criar o mínimo de linearidade. Tive acesso digital à informação, que desde quinta [25] é pública, porque foi entregue ao Ministério Público Federal. Recebi a informação por uma fonte de Goiás, apurei, cruzei os dados e verifiquei que eram idôneos”.
Em contato com o Comunique-se, a chefia do gabinete de imprensa do governo de Goiás informa que não teve acesso à reportagem, porque a Carta Capital ainda não chegou ao estado. A equipe diz que “a revista não é muito conhecida por aqui” e indicou que a reportagem deveria entrar em contato com a Secretaria de Segurança Pública e Justiça. 
O órgão, por sua vez, diz ter tido conhecimento do caso "por meio de um jornalista que procurou a pasta em nome de um veículo de circulação nacional". Por ordem do secretário Joaquim Mesquita, a Polícia Civil abriu inquérito em 8 de abril e os resultados "serão divulgados tão logo a apuração seja concluída". Sumiço de revistas
A Carta Capital enviou um lote maior de revistas para Goiás do que o usual. Além disso, segundo Fortes, as bancas do estado estão recebendo encomendas antecipadas de cidadãos que querem comprar o impresso. Os jornaleiros também estão tomando o cuidado de anotar os nomes dos leitores que adquirem a publicação dirigida por Mino Carta.
O esquema se deve à experiência vivida em abril do ano passado, quando a revista foi retirada das bancas. Reportagem de capa mostrava o eventual envolvimento do então senador Demóstenes Torres (ex-DEM) e de Perillo com o bicheiro Carlinhos Cachoeira. “A última vez que fiz uma matéria sobre a presença física da quadrilha do Carlinhos Cachoeira, as revistas sumiram das bancas”.
Na época, denúncias feitas à Carta Capital indicavam que as compras eram feitas por homens que chegavam em carros com placas frias, “possivelmente ligados ao P2, que é o código para o serviço militar secreto brasileiro”, lembra Fortes.
 
Fonte: Portal Comunique-se

As crianças torturadas em nome de Jesus




Falsos profetas acusam crianças de bruxas para ganhar dinheiro. Pastores pentecostais promovem violentos exorcismos em pequenos africanos para ganhar dinheiro. 

Uma tragédia   - uma a mais - está ocorrendo na África em nome de Jesus: a exploração religiosa de inocentes por falsos profetas de igrejas pentecostais.

O texto abaixo é de Clóvis Pacheco Filho, antropólogo, professor e jornalista.

Vídeos postados no Youtube mostram como a expansão do pentecostalismo na Nigéria, no Congo, em Angola, em sua vertente dita Teologia da Prosperidade, vem causando seríssimos problemas, ao se sincretizarem com a crença dos povos locais nos ramos africanos da feitiçaria.
Os pastores das instituições religiosas citadas, após acusarem crianças e jovens da prática de bruxaria, exigem dinheiro de seus pais, para procederem ao exorcismo.
Como a quantia exigida em geral supera a capacidade de pagamento dos pais dos acusados, o exorcismo prescrito – que em si mesmo é bastante violento – acaba sendo realizado pelos familiares, que assim acreditam que irão sair da miséria econômica, curar doenças, resolver problemas que, no seu entender, são causados por seus filhos. E esses filhos, muitas vezes, são menores de dois anos.
Os resultados dos exorcismos sempre são os piores possíveis, como morte, ferimentos, mutilações e os traumas psíquicos, o abandono social e a exclusão total da vítima, que fica atirada à própria sorte.
Quero ressaltar que tanto os pais quanto os pastores acreditam na existência da feitiçaria, em si mesma, traço comum em várias culturas africanas. Esse fato corrobora minha tese de que raramente ocorre conversão completa em massa de todo um povo a uma nova religião, mas somente conversões completas em casos individuais, que são, quase sempre, muito raros.
O que se dá, em geral, é o surgimento de um sincretismo, na maior parte dos casos históricos conhecidos. E os próprios pastores africanos citados, que alegam sua condição de cristãos seguidores da Bíblia, acreditam no poder da feitiçaria, como qualquer outro africano de suas comunidades de origem.
Daí a facilidade que encontram para a prática da manipulação das consciências, para os ganhos pecuniários pessoais e para a consolidação de seu poder.
Observe o vídeo abaixo:

A respeito da atitude dos tais pastores nigerianos e congoleses que maltratam crianças depois de, publicamente, acusarem-nas de bruxaria, é bom que se tenha em mente, repito, é a demonstração de que não há nada mais enganoso do que a crença na hipotética conversão em massa de um povo, de uma religião tradicional a outra, a uma religião nova.
Conversão bem sucedida pode acontecer individualmente, mas quanto a um povo, em sua grande massa, a história demonstra que isso jamais aconteceu.
Isso porque o homem jamais faz uma faxina mental completa, eliminando tudo o que antes estava em sua mente, para aceitar outro conteúdo, mormente se trazido de outra cultura.
Há, sobre isso, uma frase famosa, dita por um ilustre bispo católico do início da Idade Média, da cidade francesa de Reims, canonizado como São Remígio, que disse ao rei Clovis, do povo franco sicambro, estabelecido na região onde hoje está Paris, quando ele se converteu, depois de ter sido perseguidor do cristianismo: “Curva a cabeça, altivo sicambro. Adora o que queimaste e queima o que adoraste”.
Atualmente, na Nigéria, o cristianismo tem mais espaço social, em especial pelo pentecostalismo, em sua variante mais conhecida, a que deu origem à Teologia da Prosperidade, corrente que, no meu entender, é uma das maiores vigarices dos tempos modernos.
Os pastores citados, antes de qualquer coisa, manipulam abertamente o sincretismo, uma vez que seus rebanhos são compostos por pessoas que acreditam tanto nos conteúdos do cristianismo pentecostal, quanto nos valores tradicionais da crença em bruxaria. Daí a eficácia do que o pastor fala, diante de seu público, com relação aos que lhes dão o dinheiro como pagamento dos tais atos de exorcismos.
A ideologia subjacente à fala dos tais pastores é a que garante que se o fiel der dinheiro para os pastores, que se apresentam como representantes de Deus, homens e mulheres de Jesus, portadores da Palavra, Deus devolverá em dobro.
Para que é que Deus precisa de dinheiro é a pergunta correta, mas se torna facilmente explicável se forem observados os carros, jóias, casas de luxo, roupas de griffe ou pelo menos, de boa qualidade, possuídos pelos santos homens e santas mulheres de Jesus.
Em alguns dos casos mostrados pelos vídeos, o cinismo dos tais pastores é evidentíssimo. Podemos perguntar como é que pais e mães aceitam tal vigarice sem se revoltar, uma vez que as vítimas são seus próprios filhos, e quase sempre, crianças inocentes e apavoradas.
Acontece que em tais culturas tribais, quase sempre a criança tem uma personalidade diminuída, e que somente é realizada de modo integral com a maioridade, e que na maioria dos casos é quando se torna elemento ativo, pode se casar, exercer todos os atos da vida normal. E, geral, esse momento é demarcado por um rito de iniciação, um rito de passagem, como dizemos nós, antropólogos.

Crianças na Nigéria tentam se defender de acusações de bruxaria

Enquanto não passaram pela iniciação, eles são indivíduos muitíssimo pouco diferenciados, e contam bem pouco, socialmente, tanto que quando morrem, pelo motivo que for, recebem ritos fúnebres bem menos elaborados. E sua morte é compensada sentimental e afetivamente por um novo filho.
Daí a facilidade com que famílias miseráveis aceitam a acusação de bruxaria, por envolverem crianças, que contam muito pouco na vida social.
Não estamos nós, no Brasil, isentos de tais acusações de bruxaria e similares. Houve vários casos atuais, publicados na imprensa, nos quais membros de igrejas do gênero, e seus membros fanatizados exorcismaram por meio de pancadaria várias pessoas que praticam (entre os sobreviventes) ou praticavam a umbanda, candomblé, e outros cultos do gênero.
Tais casos foram numerosos na Baixada Fluminense, por parte de obreiros, “bispos” que tais. Por isso, é bom que tais fatos sejam conhecidos.
Já escrevi sobre os efeitos nocivos do pentecostalismo na África. Um pentecostal e se doeu. Parece que no modo de pensar dele, nenhum pentecostal seria capaz de fazer atrocidades, assim como “não fazem achaques de dinheiro dos fiéis”, porque no modo dele entender isso é mais que correto, pois é adepto da tal de Teologia da Prosperidade. Todos os seus pastores são santos homens de Deus, em sua visão maniqueísta.
Dada a simploriedade dele, se vê que não é pastor, é ovelha, das que gostam de ser tosquiadas. Fosse pastor, do gênero em questão, os tais da prosperidade, seria, pelo menos, um pouco mais esperto. 

Fonte: Análise de Conjuntura

Grécia - de joelhos no chão - aprova nova medida de austeridade e demitirá 15 mil funcionários públicos

Com apenas dois dias de debate, a oposição qualificou a aprovação da medida como “violação da democracia parlamentar”

O Parlamento da Grécia aprovou neste domingo (28/04) um novo pacote de medidas para o corte de gastos do orçamento do país. A medida estipula a “reestruturação” do setor público e prevê a demissão de 15 mil funcionários do governo nos próximos dois anos.

As exigências foram feitas pela troika (formada por Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional) para que os gregos recebessem o próximo empréstimo econômico, estipulado em 8,8 bilhões de euros (cerca de 23 bilhões de reais). O governo se justificou dizendo que os trabalhadores demitidos serão aqueles envolvidos com corrupção, os “incompetentes” ou aqueles que vão se aposentar voluntariamente. No total, serão 4 mil demitidos em 2013 e outros 11 mil em 2014.

A medida foi aprovada sob protestos da população e da oposição. A votação foi feita em procedimento de urgência, com apenas dois dias de debate, fato que a oposição grega - composta por alianças de esquerda - qualificou como “violação da democracia parlamentar”.

Agência Efe

Gregos protestam contra medidas que prometem demitir 15 mil funcionários públicos até o fim de 2014

Segundo informações da Agência Efe, o ministro das Finanças, Yannis Sturnaras, defendeu a votação de urgência com o argumento de que o acordo deveria sair antes da reunião desta segunda-feira (29/04) do grupo de trabalho do Eurogrupo, em que deve ser dado sinal verde ao desembolso do lance correspondente a março, no valor de 2,8 bilhões de euros.

A Grécia necessita com urgência da liberação de fundos da troika para quitar salários, pensões e os bônus que vencem no mês de maio, afirmou Sturnaras durante a votação.

No mês passado, o Eurostat, órgão estatístico da UE (União Europeia), já havia divulgado dados alarmantes sobre a taxa de desemprego na Grécia.  Mais de 50% dos jovens gregos, por exemplo, estão desempregados. 
A taxa de desemprego da Grécia atingiu um novo recorde em janeiro e situa-se, agora em abril, nos 27,2%.  Este é o valor mais alto desde 2006, ano em que o instituto oficial de estatística da Grécia começou a divulgar os dados. A Grécia tem a taxa mais alta de toda a zona do euro, que equivale a mais que o dobro da média do bloco, de 12% em janeiro.

Novos protestos na Europa
 
 Milhares de pessoas ligadas aos movimentos sociais de Portugal, Espanha, Grécia, Chipre, França e Alemanha prometem para o dia 1° de junho uma grande manifestação contra as políticas de austeridade adotadas pelos dirigentes de diversos países da Europa.
Segundo informações da Agência Brasil, os protestos terão como alvo os governos nacionais, os credores internacionais e a troika. Na internet, os movimentos sociais responsabilizam o controle fiscal das despesas públicas, exigido por essas instituições, como a principal razão da crise que causa desemprego em massa na região.



Fonte: OperaMundi

PARÁ, TERRA DA PISTALAGEM: SOBRINHO DO GOVERNADOR JATENE SOB OS HOLOFOTES DA LEI

Jatene, que aparece acima na foto á esquerda do O seu correligionário, Mario Couto, volta a virar manchete no blogosfera.

Uma turma da pesada: sobrinho do governador Simão Jatene é sócio do empresário que seria mandante de assassinatos em Tomé-Açu



 No Blog da Perereca

O empresário castanhalense Eduardo Salles, sobrinho do governador Simão Jatene, é sócio do também empresário Carlos Antonio Vieira, que teve a prisão preventiva decretada pela Justiça, sob a acusação de encomendar um duplo assassinato em Tomé-Açu, município do Nordeste do Pará.
As vítimas, o madeireiro Luciano Capaccio e o advogado Jorge Guilherme de Araújo Pimentel, foram mortas a tiros por pistoleiros, no último dia 2 de março, quando jantavam em um restaurante, no centro daquela cidade.
Além de Carlos Antonio Vieira, também é acusado como mandante dos crimes o filho dele, Carlos Vinícius de Melo Vieira, prefeito de Tomé-Açu.
Até a tarde de hoje, ambos continuavam foragidos, apesar de rumores acerca da obtenção de habeas corpus.
Segundo a Junta Comercial do Pará (Jucepa), Carlos Antonio Vieira é sócio majoritário e administrador da Valle Empreendimentos Imobiliários Ltda (CNPJ: 12.429.651/0001-80).

A Valle Empreendimentos e a E Salles Construções (CNPJ: 14.057.335/0001-50), que pertence ao sobrinho do governador, são sócias na empresa Salles e Valle Empreendimentos Imobiliários, que executa o loteamento Salles Jardins, no município de Castanhal.
Informações divulgadas pela polícia, no mês passado, dão conta que os assassinatos de Capaccio e Pimentel foram motivados por disputas políticas e por denúncias sobre irregularidades em um empreendimento imobiliário de Carlos Antonio Vieira.
Porém, o blog ainda não sabe qual é o empreendimento – e a Valle executa vários loteamentos no Nordeste do Pará, por meio de parcerias com outras empresas, como essa que estabeleceu com o sobrinho de Jatene.
Na Valle também figura como sócio um cidadão chamado Moisés Carvalho Pereira, de Redenção.
Um empresário com esse mesmíssimo nome (Moisés Carvalho Pereira, também de Redenção) chegou a ter a prisão preventiva decretada, no ano passado, a pedido do Grupo de Combate a Organizações Criminosas do Ministério Público de Alagoas.
A acusação foi a de participar de uma fraude imobiliária naquele estado, através da compra, por R$ 700 mil, de um terreno que valeria mais de R$ 21 milhões.
Detalhe: o sobrinho de Jatene e Carlos Antonio Vieira também estão envolvidos em disputas judiciais pela posse de grandes áreas de terras, aparentemente destinadas a empreendimentos imobiliários, e que teriam sido adquiridas de forma irregular.
Eduardo Salles, o sobrinho do governador, pagou R$ 1 milhão, em abril do ano passado, por um amplo terreno em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém.
A venda é contestada pela Asder, a associação dos funcionários do extinto Departamento de Estradas de Rodagens (DER), que afirma ser a verdadeira proprietária do imóvel e tenta anular a transação.
(Leia a reportagem da Perereca “Sobrinho de Jatene enriquece a olhos vistos e comanda o Nordeste do Pará”: http://pererecadavizinha.blogspot.com.br/2013/02/sobrinho-de-jatene-enriquece-olhos.html)
Já Carlos Antonio Vieira comprou por R$ 600 mil, em Rondon do Pará, um terreno que valeria R$ 50 milhões, quando loteado, segundo afirmam integrantes da Associação Agropecuária Rondonense, que ingressaram na Justiça contra a venda do imóvel.
(Veja a ação aqui: https://docs.google.com/file/d/0B8xdLmqNOJ12U2VYZndmeDRMbUk/edit?usp=sharing).
Ambos os processos se encontram em grau de recurso, a desembargadores do TJE. 
Em três anos, capital da Valle subiu de R$ 250 mil para quase R$ 20 milhões.

Morre o compositor Paulo Vanzolini aos 89 anos

Foto: Divulgação
São Paulo -  Morreu às 23h35 deste domingo o compositor e zoólogo Paulo Vanzolini, que tinha 89 anos. 
Ele estava internado com pneumonia extensa desde quinta-feira na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Israelita Albert Einsten, na Zona Sul de São Paulo.
A causa da morte ainda não foi divulgada. O corpo de Vanzolini era velado na manhã desta segunda-feira e será enterrado no Cemitério da Consolação. Enterro e velório são fechados ao público.
Autor de composições como “Ronda” e "Volta por cima", Vanzolini foi gravado por grandes nomes da MPB, como Chico Buarque - confira abaixo o samba Praça Clóvis, que foi o primeiríssimo samba gravado na carreira do ainda desconhecido Chico Buarque, mostrando assim a fonte boa que beberia para compor -... 

Paulinho da Viola e Martinho da Vila. O autor também foi diretor do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (USP), onde trabalhou por mais de 40 anos. 
 O poeta cientista compos também o inspirado 'Samba do Suicídio',ouça abaixo:

Confira Maria Bethânia interpretando "Ronda"
.

O MVIVA presta aqui sua homenagem á este brasileiro imortal e conclama aos mais jovens para que tomem posse desse patrimonio artistico e cultural que  nos deixa esta impagável herança.

domingo, 28 de abril de 2013

A ALEMANHA, DE NOVO



(JB)-Todos os povos do mundo têm seu orgulho nacional, o que os faz supor serem melhores que  os demais. Em alguns casos, ostentam seus conhecimentos técnicos; em outros, seu talento artístico, e, nos casos extremos, a excelência racial. Em nome dessa superioridade, reivindicam o direito de governar os outros povos. Mas, no interior dessas sociedades presunçosas há – felizmente – os que percebem as coisas com lucidez.
        A Alemanha é um país estranho. Deu ao mundo alguns dos melhores pensadores humanistas, ao longo dos séculos. As idéias igualitárias encontraram ali o terreno fértil para que se desenvolvessem e encontrassem instrumentos coletivos de transformação da sociedade. As idéias socialistas nasceram da associação entre o pensamento filosófico, a solidariedade e a luta dos trabalhadores contra a opressão. Ao mesmo tempo, ali medraram o militarismo, o culto ao corpo, a fascinação pela beleza, e o desprezo aos débeis, aos pacifistas, aos enfermos, aos diferentes de um modo geral.
       O racismo sempre existiu em todos os povos, mas na Alemanha ele conduziu à brutalidade que se conhece.
        Ontem, Portugal lembrou a bela jornada da Revolução dos Cravos. Suas razões, seus atos e seus resultados são conhecidos. Os portugueses se livraram da carga de um colonialismo anacrônico, redigiram uma constituição avançada, deram passos enormes rumo a um regime plenamente democrático. A direita, no entanto, ao tomar o governo fez reverter essas conquistas, e Portugal se entregou às razões neoliberais, além de aliar-se a Washington, seguindo a Espanha, na ação contra o Iraque. Um ano depois de Lisboa, era a vez de Madri – com mais dificuldades, é certo – iniciar o processo de sepultamento do período ditatorial de Franco.
        Espanha e Portugal passam hoje por imensas dificuldades sociais. Quase um terço dos espanhóis em idade de trabalhar estão desempregados (27,16%). Em Portugal, a taxa é menor (17,5%), mas as dificuldades não o são.
        Os dois países executam uma política orçamentária enlouquecida, a fim de pagar as dívidas assumidas com o sistema financeiro internacional. Mas se a situação é grave na Península Ibérica, não é muito melhor no continente. A Itália, que havia sido entregue a um fiel servidor dos bancos, Mario Monti, não conseguiu superar a crise política, e teve que se apoiar em um dos poucos homens sensatos do país, Giorgio Napolitano. A França começa a assustar-se com o desemprego. Os britânicos não saem das ruas, em protesto contra a mal chamada “austeridade”.
Mario Soares
       
Como lembrou o grande estadista português Mário Soares, em entrevista reproduzida ontem neste jornal, os países podem deixar de pagar seus débitos, se não conseguirem fazê-lo, e ninguém morre por isso. É velho o entendimento de que, embora todos devam cumprir os pactos, situações de força maior conduzem às renegociações necessárias.
        A crise econômica européia é conseqüência das fraudes e incompetência de alguns dos grandes bancos do mundo que se associaram para a prática do crime organizado. Em lugar de punir os banqueiros irresponsáveis, que devem responder com seus bens e o castigo da justiça aos delitos cometidos, os governantes europeus, sob a arrogante determinação de Frau Merkel, exigem os sacrifícios de seus povos, a fim de reunir os recursos a serem pagos ao “mercado”.
      A situação é dramática, com hospitais sendo fechados; a mortalidade infantil retornando, o desespero assolando as camadas mais débeis da sociedade, e o racismo em ascensão.
      O presidente de Portugal, Cavaco Silva, embora tenha feito um discurso dúbio, resumiu a situação de que o país está sofrendo “fadiga de austeridade”, da mesma austeridade que todos os governantes europeus estão impondo a seus cidadãos. Mas não deixou de exigir que Portugal “honre seus compromissos”, ou seja, que continue a sua política de corte de gastos sociais.
      A pequena e sacrificada Grécia, submetida a um regime de fome pelas exigências da “troica” (A Comissão Européia, o Banco Central Europeu e o Fundo Monetário Internacional) parece decidida a reclamar da Alemanha 126 bilhões de euros, como reparação de guerra. Durante três anos de ocupação do país, de 1941 a 43, os alemães mataram de fome mais de 300.000 pessoas, destruíram toda a infraestrutura do território e obrigaram os gregos a pagar todos os gastos da ocupação. Sabemos que sua postulação é inútil. Os alemães não tomarão conhecimento da reclamação.
       E, tal como ocorreu com a Europa dos anos 30 e 40, todos procuram apaziguar-se com Berlim. A Alemanha que, com Willy Brandt, deu provas ao mundo de sua disposição para a paz, recorre hoje à sua superioridade econômica a fim de avançar no velho propósito de dominar o continente. A única esperança é a de que a outra Alemanha reaja nas urnas e volte ao bom senso de homens como Brandt. É provável que ainda haja alguns.
      

QUEM AMEAÇA O EQUILÍBRIO DE PODERES

O Congresso Nacional preparava-se para votar um projeto de lei que limita a criação de novos partidos políticos, mas uma liminar do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, congelou sua tramitação até a apreciação do projeto pelo plenário da Corte. No mesmo dia, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou um Projeto de

Emenda Constitucional (PEC) que dá ao Parlamento o poder de rever decisões do STF sobre ações de inconstitucionalidade. O presidente do Senado, Renan Calheiros, classificou a liminar como “invasão” do Poder Judiciário sobre as competências do Poder Legislativo e disse que iria recorrer.       
Bem, o projeto limitando o tempo de TV e o acesso ao Fundo Partidário aos novos partidos se faz necessário, face à proliferação de legendas de aluguel no país. Mas sua votação agora é oportunista, porque vem no exato momento em que líderes de oposição articulam a criação de mais dois partidos, a Rede, de Marina Silva, e o Mobilização Democrática, fusão do PPS com o PMN, com vistas a 2014. No ano passado, quando Gilberto Kassab criou o seu PSD, ele teve as vantagens que hoje se pretende eliminar. Mesmo assim, a votação faz parte do jogo político, mas esse jogo se complica quando quem não tem votos apela para o Poder Judiciário.  
Por causa de ações dessa natureza, o Parlamento vem se mostrando incapaz de cumprir seu papel. O resultado é um processo perigoso de judicialização da política e conseqüente politização do Judiciário. O protagonismo do Supremo chegou a empossar candidatos derrotados e não eleitos (caso do Maranhão) e a definir a fidelidade partidária, o que seria finalidade dos partidos políticos. E, no caso da Ação Penal 570 – o caso do mensalão –, o STF cedeu à pressão da “opinião publicada” e julgou os réus em período eleitoral, ignorando a jurisprudência e o princípio da inocência dos réus até prova em contrário, entregando cabeças ao gosto do “clamor popular”.
E as últimas decisões do STF comprometem a autonomia do Congresso, o que constituiu uma violação flagrante da Constituição de 1988, que garante o equilíbrio de poderes, um dos fundamentos da democracia representativa. Segundo o art. 102 da Carta Magna, o Supremo Tribunal é o “guardião da Constituição”, mas o Congresso Nacional tem poderes, sim, para anular quaisquer decisões, do Executivo e do Judiciário (art. 49). Um Congresso soberano tomando decisões políticas sobre os destinos da nação não é ameaça, mas fundamento da democracia. Atualmente, o que estamos vendo é um poder técnico e não-eleito (o Judiciário) avançando celeremente, com o aplauso da mídia, sobre a competência de um poder democraticamente eleito e soberano (o Legislativo). Quem realmente ameaça a democracia?    
Repetindo o que eu já disse aqui, segundo os clássicos pensadores do Direito (Montesquieu e os Federalistas, por exemplo), o Legislativo pode e deve exercer o controle sobre o Judiciário, a exemplo do que já acontece em relação ao Executivo. Como dizia o filósofo do Direito Norberto Bobbio, “a democracia nasceu com a perspectiva de eliminar para sempre das sociedades humanas o poder invisível e de dar vida a um governo cujas ações deveriam ser desenvolvidas publicamente”.

LEÃO ESTRAÇALHA A MUCURA NO MANGUEIRÃO POR 2X1

LEÃO AZUL - CLUBE DO REMO FILHO DA GLORIA E DO TRIUNFO!

vence clássico e está na final do returno do Parazão


Em mais uma tarde chuvosa em Belém, Clube do Remo e Paysandu entraram em campo pelo segundo jogo da semifinal do segundo turno do Campeonato Paraense. No duelo entre Leão e Papão neste sábado (27), às 18h30, melhor para os comandados de Flávio Araújo, que repetiram o resultado do sábado passado e conquistaram mais uma vitória, por 2 a 1 e garantiram a vaga na final do returno.

Em um jogo cheio de emoções, expulsões e gols, o Clube de Periçá mandou a redonda para o fundo da rede com Leandro Cearense e com o meia Clebson. O Paysandu descontou com o meia Djalma, aproveitando jogada pelo lado esquerdo de Rafael Oliveira.
A vitória, além de dar moral para a sequência do Parazão e manter o sonho do título, encaminha a classificação do Leão para o Campeonato Brasileiro da Série D, que será disputada na final da Taça Estado do Pará, conta Tuna Luso ou Paragominas, que jogam neste domingo (28).
O Paysandu, por sua vez, foca na Copa do Brasil e fica no aguardo do campeão do segundo turno, para decidir o Campeonato Paraense em dois jogos.
________________________________________________________________________________________________________________

O primeiro jogo da decisão da Taça Estado do Pará será na próxima quarta-feira (1). O segundo será no final de semana, domingo (5).
1º Tempo: Jogo emocionante e Leão na frente - Com diversos jogadores se recuperando de virose, campo encharcado e muita empolgação nas arquibancadas, Remo e Paysandu iniciaram sua saga rumo à final do segundo turno do Parazão e, diferente do sábado passado, mais de 15 mil torcedores acompanharam o clássico ‘Rei da Amazônia’.
Precisando reverter o placar do último final de semana, que o obrigou  vencer, o Paysandu tomou a iniciativa nos primeiros minutos de bola rolando. O time de Lecheva partiu pra cima e teve a chance de abrir o placar, logo aos 3 minutos. Desfalque nos treinamentos da semana e dúvida para a partida, Eduardo Ramos arrancou em velocidade pelo lado direito e cruzou rasteiro para João Neto, que tocou na bola e a mandou por cima do gol. 
A resposta do Clube do Remo, no entanto, chegou com mais perigo e mudando o placar. Após troca de passes no meio de campo, o volante Jhonnatan encontrou Leandro Cearense livre dentro da grande área. O camisa 9 do Leão olhou para o goleiro Paulo Rafael e mandou um foguete, de perna esquerda, sem chances. Aos sete minutos,  Remo 1 a 0.
O gol do adversário não diminuiu o ímpeto dos bicolores na busca pelo gol. Em contra-ataque puxado no circulo central do meio de campo, Iarley fez lançamento longo e em velocidade para Djalma que, da entrada da área, chutou rasteiro e viu a bola passar perto da trave direita do goleiro Fabiano. 
O Leão respondeu com Leandro Cearense, dessa vez servindo de pivô e dando assistência. Após chutão do zagueiro Henrique para o campo de ataque, o atacante remista dominou no peito, com estilo, olhou e achou Diogo Capela na entrada da grande área. O meia do Clube do Remo chutou colocado e Paulo Rafael espalmou pela linha de fundo.
Após os sustos nas torcidas de Fenômeno Azul e Fiel Bicolor, o jogo diminuiu a intensidade. Os dois times trocaram passes e passaram a ser mais cautelosos com seus respectivos sistemas defensivos, especialmente o Paysandu, que já não dava tanta liberdade para o setor de criação do Remo. 
Aos 44 minutos a torcida do Paysandu foi à loucura no Estádio Olímpico do Pará. Iarley recebeu bola no ataque, tabelou com Yago Pikachu e deixou o lateral do Papão frente a frente com o goleiro Fabiano. Pikachu adiantou, chutou e o goleiro remista executou grande defesa, garantindo a vitória parcial do Leão.
CLUBE DO REMO
2º Tempo: Vitória azulina e vaga na final - No início dos 45 minutos finais do clássico Re-Pa, o técnico Lecheva apostou em duas substituições para mudar a postura do time dentro das quatro linhas. O meia Alex Gaibu e o atacante Rafael Oliveira entraram nos lugares dos experientes Vânderson e Iarley, respectivamente.
Mesmo conseguindo reter a posse de bola nos momentos iniciais, foi o Clube do Remo que começou assustando o goleiro Paulo Rafael. Em jogada pelo lado esquerdo ofensivo, Alex Ruan subiu ao ataque como uma bala e emendou um chutaço, rasteiro, mas o goleiro bicolor colocou para escanteio.
A resposta do Paysandu foi mais eficaz e mais feliz para o lado B das arquibancadas do Mangueirão. Rafael Oliveira, que saiu do banco, ganhou na raça no lado esquerdo, cruzou para dentro da pequena área e a redonda sobrou para Djalma apenas empurrar para o fundo da rede. Aos cinco minutos, Remo 1 x 1 Paysandu.
O gol deu ânimo para a equipe alviceleste e pressionou o Clube do Remo, que não sabia se mantinha o resultado que lhe favorecia, ou tentava desempatar o clássico. Rafael Oliveira, aceso na partida, recebeu cruzamento da direita e quase faz um golaço, de voleio. O goleiro Fabiano defendeu.
Tentando conter o esboço de pressão do Papão, o técnico Flávio Araújo mexeu no time. O meia Ramon, cansado, deu lugar para Clebson. O cabeludinho entrou e logo mostrou serviço. Aos 16 minutos, no primeiro toque do jogador na bola, Clebson mandou um chutaço, de fora da área, no canto esquerdo de Paulo Rafael, que falhou e fez com que o placar ficasse 2 a 1 para os azulinos.

O gol azulino esquentou os lances de perigo e também os ânimos dos atletas. Em uma disputa de bola na lateral, Eduardo Ramos e Jhonnatan trocaram ofensas e foram separados pelos companheiros. Dentro do jogo, o Remo repetia a estratégia de quando esteve à frente no placar no primeiro tempo, aproveitando os contra-ataques e levando muito perigo para os zagueiros do Papão.
A chance do empate veio em jogada iniciada pelo atacante João Neto. Ele ganhou da zaga remista no lado esquerdo do ataque bicolor, chegou na linha de fundo e cruzou para o meio da área. Pablo apareceu como homem surpresa e cabeceou para o chão, mas a bola foi fraca nas mãos de Fabiano, bem posicionado.
Após o susto, o Clube do Remo priorizou o sistema defensivo e ia ao ataque somente na chamada ‘boa’. Flávio Araújo colocou o zagueiro Gabriel no posto de Alex Ruan, que deixou o gramado reclamando de dores. Com a situação sob o controle, os torcedores do lado A, azulinos, ensaiaram até um coro de 'olé'.
Os gritos vindos das arquibancadas parece ter mexido com o zagueiro do Paysandu, Thiago Costa, e com o volante do Clube do Remo, Jhonnatan. Após jogada na linha de fundo do ataque remista, os dois trocaram farpas, empurrões e até socos e foram expulsos pelo árbitro.
Após a confusão, o Clube do Remo esperou o tempo passar, com vários chutões para frente e o árbitro apitou pela última vez no jogo que garantiu o Leão na final do returno.

Felipe Saraiva / Carlos Fellip (Portal ORM)

sábado, 27 de abril de 2013

VAMOS DO QUE EXISTE DE MELHOR NA ALMA E NO CORAÇÃO DOS LATINOS...

Tenham todos um ótimo final de semana. Fiquem com esse 'bolerão' antológico na voz do legendário Bienvenido Granda, acompanhado da maior orquestra romantica do mundo, a cubana Sonora Mantacera.

PEGA O TEU BONÉ,MANO! - PEDE PARA SAIR, MERCADANTE!!!

Ignorância desumana
declaração de amor de Mercadante por ‘Seu Frias’

Tweet
Mais que bajulação, o que ficou estampado foi a ignorância do ministro da Educação.


Ignorância desumana

Uma das frases de Sêneca que mais me agradam fala o seguinte: “Quando penso em certas coisas que disse, tenho inveja dos mudos.”

Ela me ocorreu ao ter ciência da carta que o ministro Aloízio Mercadante escreveu para a Folha de S. Paulo.

Mercadante fez um desagravo da memória de Octavio Frias de Oliveira, falecido dono do  jornal, depois que um delegado dos tempos da ditadura militar disse, na Comissão da Verdade, o que todos sabem, exceto talvez ele mesmo, Mercadante: que Frias colaborou ativamente com a repressão a “terroristas”, “subversivos” e “assassinos”.

Frias foi o chamado colaborador total. De um lado forneceu carros do jornal para a perseguição de “subversivos” pela Oban, Operação Bandeirante, um grupo particularmente selvagem dedicado a exterminar a resistência à ditadura.

De outro, usou sua empresa jornalística para publicar conteúdos pró-ditadura.

Meu pai, editorialista e com carreira na Folha estabelecida antes que Frias comprasse o jornal em 1961, se recusou a escrever um editorial no qual Frias mandou que fosse dito que não existiam presos políticos – todos eram criminosos comuns.

Frias, nos piores anos da ditadura, manteve um jornal, a Folha da Tarde, que era uma espécie de porta-voz da repressão. (Mercadante poderia conversar sobre isso com Frei Betto, que foi jornalista da FT antes de Frias transformá-la numa extensão da Oban.)

O jornal de Frias para a ditadura, a Folha da Tarde
O jornal de Frias para a ditadura, a Folha da Tarde
Num certo momento, com a abertura política, Frias, como empresário, enxergou uma boa oportunidade de negócio ao engajar a Folha na campanha das diretas e deixá-la mais arejada.

Era um movimento óbvio. O concorrente Estadão já estava morto editorialmente, então. E a Globo era, como a FT, porta-voz da ditadura na tevê.

O distanciamento oportunista da Folha em relação ao regime não impediria Frias de acatar servilmente uma ordem de um general para que afastasse o diretor Claudio Abramo depois que o grande cronista  Lourenço Diaféria escreveu, com toda razão, que os paulistanos mijavam na estátua do Duque de Caxias, no centro da cidade, perto da Folha.

Bastava passar por lá e sentir o cheiro.

Para Claudio Abramo foi um desdobramento irônico e amargo do editorial que meu pai recusou e ele, Claudio, escreveu, sabe-se lá a que custo emocional e mesmo físico, uma vez que era um homem de esquerda.

Frias pôs imediatamente no lugar de Claudio um jornalista que ele mantinha por causa das relações deste com o regime: Boris Casoy, egresso do Comando de Caça ao Comunista e antigo locutor de rádio. (Anos depois, na televisão, ao falar dos lixeiros, Boris mostrou quão pouco mudou nestes anos todos.)

Como os infames caminhões da Ultragaz, os carros da Folha foram usados na caça a dissidentes

Como os infames caminhões da Ultragaz, os carros da Folha foram usados na caça a dissidentes


Assustado, medroso, Frias tratou também de tirar seu nome da primeira página do jornal, como responsável. Boris passou a figurar como o responsável.

Apenas para situar, Boris marcou uma ruptura na Folha. Até ali, os chefes de redação eram jornalistas completos: tinham feito grandes reportagens a partir das quais subiram até serem testados também como editores.

Boris simplesmente não sabia escrever. Ele estava no jornal, e num cargo elevado, por razões políticas, e não jornalísticas.

Isso gerou situações bizarras. Na morte de Samuel Wainer, cabia a Boris escrever um pequeno tributo na coluna “São Paulo”. Boris chamou meu pai para escrever por ele por não ter capacidade para realizar a tarefa.

Mercadante mostrou uma ignorância desumana ao desconhecer tudo isso na carta que mandou à Folha.

A demonstração espetacular de desconhecimento  é tanto mais grave por vir do ministro da Educação. Se ele não conhece com alguma profundidade um assunto tão próximo dele, o que ele conhecerá?

Terá lido livros? Quais?

Pela ignorância, mais ainda do que pela bajulação despropositada, Mercadante deveria ser afastado sumariamente do cargo que ocupa. Daqui por diante, ele será sempre lembrado como aquele sujeito que disse que o “seu Frias” foi um quase mártir na “luta pelas liberdades democráticas”.

A carta de Mercadante cumpre o papel inevitável das mensagens estapafúrdias, o de ser alvo de desprezo dos chamados dois lados. É altamente provável que Otávio Frias Filho não tenha enxergado na carta o que todo mundo enxergou.

Se existe um atenuante para Mercadante, é que parece haver no DNA do PT uma espécie de submissão mental aos donos da mídia.

Essa patologia ajuda a entender por que o Brasil não avançou nada, em dez anos de PT, na questão crucial para a sociedade de discutir os limites da mídia, a exemplo do que a Inglaterra acaba de fazer.

O momento simbólico dessa submissão – que o grande Etienne de La Boétie chamava de “servidão voluntária” – é assinado por Lula, ao escrever na morte de Roberto Marinho que ali se ia um, pausa antecipada para rir, um grande brasileiro, merecedor de três dias de luto oficial.

Por Paulo Nogueira no DCM

quinta-feira, 25 de abril de 2013

"JUÍZES HOJE AGEM COMO POLÍTICOS"


Brasil247 - Em entrevista exclusiva, o deputado Nazareno Fonteles (PT-PI) afirma que sua emenda constitucional, já aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça, visa resgatar a soberania do voto popular, ao submeter ao Congresso algumas decisões tomadas pelo Supremo Tribunal Federal. "Estimulado pela mídia, que hoje é um partido político de oposição, o STF se converteu em linha auxiliar da minoria", afirma. De acordo com o parlamentar, ou o Congresso passa "da covardia à coragem" ou perde sua própria razão de existir. 
Sem receio de comprar brigas, ele defende o impeachment dos ministros Luiz Fux e Gilmar Mendes e rotula ainda o jornalista Merval Pereira, do Globo, como um personagem de conduta fascista.

CLIQUE AQUI para continuar lendo.


BRASILEIROS,SOMOS TODOS PALHAÇOS,NADA MAIS QUE PALHAÇOS!


 

Quadrilheiro Demóstenes é condenado a receber 22 mil por mês sem trabalhar pelo resto da vida


A "pena" exemplar para  Demóstenes, segundo o cruel entendimento dos juízes que o julgaram, será de ganhar aposentadoria miserável de R$ 22 mil.
O procurador de Justiça Demóstenes Torres obteve uma vitória gargalhantemente comemorada no início da tarde desta quarta-feira, 24, com o decisão do Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) de que ele é membro vitalício do Ministério Público.  
 
Bem feito para otários feito eu e voce, que seremos obrigado pelos digníssimos magistrados do Brasil á pagar este salário de marajá para o parceiro do mafioso Carlinho Cachoeira, por relevantes serviços prestados em favor dos seus próprios interesses.
Nem esquentou a cabeça, no fundo Demóstenes aguardava que os colegas corporativistas dariam esse veredito
Segundo juristas consultados pelo Goiás247, com o entendimento, a "pena" máxima que o órgão pode aplicar a ele, acusado de envolvimento nos esquemas criminosos do bicheiro Carlinhos Cachoeira, é a aposentadoria compulsória, se condenado. Uma possível demissão aconteceria apenas em caso de condenação judicial transitada em julgado e esgotados todos os recursos.
Nos corredores do CNMP é dada como certa a condenação de Demóstenes pelo órgão regulador da atividade do parquet. Como membro vitalício, porém, a "pena" máxima que pode ser aplicada ao ex-senador é a aposentadoria compulsória, com a manutenção dos vencimentos proporcionais. Atualmente, o procurador tem salário de mais de R$ 22 mil.

 

Durante o julgamento, que referendou o afastamento de Demóstenes por mais 60 dias (contados a partir de 1º de abril), o Plenário analisou questão de ordem proposta pela relatora Claudia Chagas para discutir a vitaliciedade de Demóstenes, já que ele entrou no MP-GO antes de 1988 e optou pelo regime anterior. Claudia considerou que o procurador de Justiça não teria a garantia da vitaliciedade, considerando sua opção pelo regime jurídico anterior ao da Constituição.
 
Por sete votos a cinco, entretanto, o Plenário decidiu que Demóstenes Torres é vitalício. O Plenário considerou que a vitaliciedade é garantia da sociedade brasileira, e não prerrogativa do membro individual do Ministério Público. Segundo o entendimento, a vitaliciedade possibilita o exercício da atividade do membro do Ministério Público.
Votaram com a divergência os conselheiros Jarbas Soares, Alessandro Tramujas, Lázaro Guimarães, Jeferson Coelho, Maria Ester, Mario Bonsalgia e Roberto Gurgel. Seguiram o voto da relatora os conselheiros Luiz Moreira, Taís Ferraz, Almino Afonso e Adilson Gurgel. Os conselheiros Tito Amaral e Fabiano Silveira se declararam impedidos e não votaram.

Nota do MVIVA: Enquanto isso, as prisões estão lotadas de ladrões de galinhas e mulheres que furtam  absorventes.A lição que sentenças deste quilate deixa para a juventude é: no Brasil ser corrupto compensa.